quarta-feira, 23 de junho de 2010

Um feriado diferente

Já faz tempo que eu havia prometido esse post, mas como já disse antes tava tudo meio corrido, ai não deu.

Na páscoa fui convidado pelo meu tio a ir para barra dos batatais para passar o feriado na casa de uns amigos dele um pessoal muito legal, diga-se de passagem. No começo fiquei meio receoso pois meu plano era ir para praia, mas depois de muito insistir decidi ir com ele.

Decidimos sair de madrugada para nos encontramos com os amigos do meu tio em um posto na estrada às 7:00 horas da manhã. Depois de muito percorrer e depois de muitos quilometro longe de São Paulo chegamos ao lugar combinado. Descemos do carro, e meu tio nos apresentou a eles pois, além de mim foram minha tia meu primo e uma sobrinha da minha tia. De inicio fiquei meio tímido como sempre, nós conversamos um pouco, tomamos um café no posto mesmo e seguimos o nosso caminho pois ainda tinha muito o que percorrer para chegar em nosso destino. Antes de irmos para a casa deles paramos na cidade para comprar comida, bebida, e é claro repelente e mais repelente.
Pois bem finalmente chegamos em um vilarejozinho bem pequeno onde o acesso só e possível por balsa. Depois de atravessá-la chegamos em casa, deixamos as malas e fomos conhecer o lugar. A minha primeira impressão foi de um lugar bonito, porém sem muitas condições de vida para a população que lá habita. Para nós era puro lazer, uma vez que tínhamos levado tudo o que precisávamos, mas para os que moram lá deve ser bem difícil ter que buscar comida na cidade e se caso precisaram de um cuidado mais especializado, ter que ir até lá em busca de um hospital.

Travessia de Balsa

Um dos dias que não fomos para nenhum lugar, aproveitamos para conhecer melhor a cidade e pude perceber que as pessoas de lá são realmente muito necessitadas, mas também são um povo feliz, muito diferente das pessoas de São Paulo que têm muito dinheiro e são infelizes, secos e de mau com a vida.
No centro da cidade havia uma igrejinha, um pouco atrás da igreja havia um cemitério, e espalhadas ao redor casinhas de madeira e pau-a-pique.

Igrejinha

Cidade



Pois bem os dias que passamos lá foram maravilhosos, fomos visitar muitos pontos turísticos, muitas cachoeiras e trilhas e claro tivemos uma maior convivência com os amigos do meu tio que como eu disse no começo são gente finíssima. Para finalizar recomendo a todos que um dia se tiverem oportunidade visitem barra dos batatais

Cachoeira

Trilha

Update

Bom pessoal tudo bom com vocês?
Bom só estou dando uma passadinha rápida pra dizer que o blog está de cara nova, mas isso ja deu pra perceber né!? E que em breve espero postar muita coisa nova mesmo, porque agora estou de férias....amém
Mas é meio complicado esse negócio de postagem porque quando eu não tenho tempo, eu tenho muitas ideias, e quando eu tenho tempo as ideias me escapam, mas é isso em breve volto com boas novas.

sexta-feira, 18 de junho de 2010

Memórias Remotas

Me lembro nitidamente da lareira do casarão, era grande, imponente, feita de pedra e todas as noitas era acesa. Acho estranho lembrar justo da lareira, com tantas outras partes do casarão que uma criança de seis anos e meio poderia gostar, mas me lembro mais da lareira, não sei por que, mas na minha mente juvenil o que mais ficou marcado foi essa imagem da lareira, do fogo, e do bem estar e do calor que sentíamos quando estávamos próximos dela. O casarão era enorme, tinha muitos cômodos, uma sala enorme, um jardim muito bonito, uma piscina e um espaço ao ar livre com alguns brinquedos onde nós podíamos brincar.
Adorava brincar horas a fio sem parar, mas no final do dia tinha certeza que sentaria a frente da lareira para observar aquela dança das chamas consumindo o carvalho recém cortado que me hipnotizava e aquecia minha alma. 

terça-feira, 8 de junho de 2010

As culpadas são as vacas!

Bom pessoal minha vida pra variar anda muito corrida, mas consegui um tempinho pra escrever aqui...e o post de hoje é um tanto quanto inusitado!

O problema é que as vacas peidam, isso mesmo, não que haja algum problema em peidar, pois todos nós peidamos, mas fato é que as vacas peidam e fodem com nossa camada de ozônio, nós cidadãos consumistas e capitalistas que somos, nada fazemos, e a demanda por carne bovina só vem crescendo, e a consequência disso é que mais áreas de floresta são desmatadas, mais vacas são produzidas (digo produzidas mesmo, pois, hoje em dia com todos os avanços tecnologicos e científicos, as vacas são produzidas, foi-se o tempo que tudo ocoria por vontade da natureza), mais hormonios são injetados nas coitadas e nós continuamos comendo a carne cheia de "porcarias" sem tomar nenhuma providência, mas pra que providencia se as culpadas são as vacas que peidam e fodem nossa camada de ozônio? Mais fácil botar a culpa nelas.